quinta-feira, 15 de junho de 2017

Inácio Saúre - Novo Arcebispo de Nampula



Inácio Saúre

Novo Arcebispo de Nampula




No dia da festa litúrgica da Santíssima Trindade, dia 11 de Junho, o Arcebispo  Inácio Saúre assumiu o governo pastoral da sua Diocese de Nampula. É o 5º Bispo desta Diocese desde a sua criação em 1940.

A escolha do Papa Francisco fora anunciada no dia 11 de Abril, Terça-Feira Santa. Coincidentemente, nessa data, tínhamos programado o lançamento do livro A IGREJA DAS PALHOTAS, cujo prefácio ele fizera, naturalmente, como Bispo de Tete, diocese até agora por ele regida.

A nomeação do Arcebispo Saúre pôs termo a quase um ano de especulações sobre quem seria o sucessor do Arcebispo Tome Makhweliha, que, em Julho de 2016, apresentara ao Papa o seu pedido de renúncia por conhecidos motivos de saúde.

Inácio Saúre, membro do Instituto Missionário da Consolata, é natural de Balama, na Província de Cabo Delgado. Como filho macua/metto, fica, praticamente em casa. Por tal motivo não existe qualquer indicio de suspeição quanto ao seu acolhimento nesta ampla casa étnica já que ficamos com um filho da casa como arcebispo da extensa metrópole eclesiástica que inclui também as dioceses sufragâneas de Nacala , Pemba, Lichinga e Gurué, todas, como sabemos, amplamente povoadas pela maioritária tribo macua.

A celebração do início do seu trabalho pastoral em que teve lugar o seu acto de posse, teve lugar no recinto da emblemática catedral de Nampula, onde ecoa ainda a voz firme e lúcida do Arcebispo Manuel Vieira Pinto que o novo Arcebispo expressamente evocou com o título do livro que em sua homenagem confecionei O VISIONÁRIO DE NAMPULA.

Igualmente cativante e muito simbólico foi, para mim, que o Arcebispo Inácio, quase em paralelo, tenha evocado o Catequista Cipriano que, durante a guerra civil dos 16 anos, foi morto por soldados da Renamo, em Matibane, por se ter recusado a indicar quem era o secretário local da Frelimo. Esperamos que a Diocese de Nacala desencadeie o seu processo de canonização, tal como o fez a Diocese de Inhambane, no passado mês de Março, com os seus também martirizados catequistas e seus familiares, pela Renamo, no Centro Catequético do Guiúa, numa madrugada do domingo de Março de 1992 em que se iam retomar os trabalhos de formação de animadores.

A Diocese de Nampula, bem como o conjunto da Arquidiocese, vive, sem dúvida, momentos de grande entusiasmo e esperança.


terça-feira, 26 de julho de 2016

Bispo Ernesto - Administrador Apostólico de Nampula

 

Cidade do Vaticano (Agência Fides) – O Santo Padre Francisco, em 25 de julho de 2016, aceitou a renúncia ao governo pastoral da Arquidiocese de Nampula, em Moçambique, apresentada por Dom Tomé Makhweliha, S.C.I., em conformidade ao can. 401§ 2 do Código de Direito Canônico, e nomeou Dom Ernesto Maguengue, Bispo titular de Fornos menor e Auxiliar da mesma Arquidiocese, Administrador Apostólico “sede vacante et ad nutum Sanctae Sedis” desta Sede Metropolitana. (SL) (Agência Fides 25/07/2016)

Aqui está uma solução inteligente! Certamente que o normal teria sido nomear um novo Arcebispo. Se isso não foi feito é porque, obviamente, não houve condições para o fazer. Mas o Bispo Ernesto passa do estatuto de auxiliar a Administrador Apostólico e, portanto, com plenos poderes para gerir a vida da Diocese. Agora, não há restrições de direito!

Assim, assegura-se que a Diocese não fique com sede vacante realmente vazia. O poder pastoral está entregue a alguém que pode conduzir a vida e preparar os caminhos do novo Arcebispo com tranquilidade. De todos os agentes de pastoral de Nampula, particularmente dos presbíteros diocesanos, dependerá, estou certo, a solução definitiva, que poderá ser encontrada, quem sabe, com ele, ou com outro, mas sempre com serenidade e tranquilidade. De qualquer maneira somos desafiados a testemunhar que somos membros de uma Igreja verdadeiramente católica, sem restrições nem limites, sejam de que natureza forem, de origem étnica, regional, culural. É um desafio que, digamo-lo às claras, está deixando todos os protagonistas e observadores, de antenas alerta! Sejamos dignos do desafio! Ultrapassemos os atávicos obstáculos! Já basta de infidelidade cristã!

Embora em cima da hora do anúncio deste notícia, já recebi comunicações de muito apreço pela solução encontrada. Mas também reticentes!  Seja como for, de certeza que iremos entrar num ritmo normal que a debilitada saúde do nosso Arcebispo Tomé, como ele próprio exprimiu na sua carta, não vinha permitindo!

Que Deus nos dê, quanto antes, o Arcebispo que leve em frente a riquíssima e variada experiência pastoral desta Igreja metropolitana!

Entretanto, num só coração e numa só alma, todos façam o seu melhor em sincera comunhão com o Bispo Ernesto que, nos 2 anos de auxiliar, demonstrou bem quanto os seus horizontes eclesiais são dilatados e se não poupou de ir, no seu zelo apostólico, até aos limites da sua condição canónica!

terça-feira, 15 de março de 2016

Páscoa da Irmã Maria de Jesus









AVÉ MARIA!




Páscoa da Irmã Maria de Jesus Calvo Ariño
Mosteiro Mater Dei - Nampula - Moçambique

Hoje, dia 10 de Março de 2016, adormeceu no Senhor a nossa querida Irmã Maria de Jesus Calvo Ariño e nós, as suas Irmãs, confiamos que, ao despertar, contempla já FACE A FACE, AQUELE A QUEM AMOU E SE ENTREGOU.

Palmira Calvo Ariño, nome de baptismo, nasceu em Miravete de la Sierra, Teruel,  Espanha, a 10 de Novembro de 1934.
 
Quarta filha de nove irmãos, sentindo-se chamada a seguir o Senhor, com 18 anos, comunicou a um sacerdote ancião que lhe deu uma lista de congregações para escolher. Ela disse ao padre que escolhesse as que fossem mais pobres.

Assim, a 18 de Março de 1954, entrou nas Servas de Santa Maria, em Madrid, cujo convento fora destruído na guerra civil espanhola, pelo que estavam hospedadas numa casa religiosa.

Iniciando seu noviciado, foi lhe atribuído, segundo o costume daquele tempo, o novo nome de Maria de Jesus.

 Em 1973, com 38 anos, ofereceu-se como voluntária para a fundação em Nampula, Moçambique, para onde partiu, juntamente com mais quatro monjas, em Julho do mesmo ano. Depois de muitas aventuras na viagem, sobretudo de espera, em Portugal, da autorização do governo, ainda o colonial de Lisboa, chegaram a Nampula a 17 de Dezembro de 1973.

Dentro deste espírito de doação e serviço, ocupou os cargos de Vigária, Ecónoma e Mestra de noviças, tendo por primeira e última vez, doze delas.
Durante toda a sua vida consagrada destacou se por sua piedade, fidelidade e coerência na sua vocação, estando sempre disponível para servir a todas as monjas que dela precisassem, particularmente na costura, de que era verdadeira artista.

O seu santo exemplo perdurará para sempre no coração de todos os que a conheceram. Perseverante na oração, austera na alimentação e nos seus haveres (sendo encarregada da roupa, tudo usava remendado).Obediente e verdadeira irmã de todas e cada uma, tendo grande delicadeza para com os pobres e as crianças órfãs.

Dia 18 de Março, cumpriria 62 anos de vida monacal e, em Setembro, celebraria 60 anos de consagrada.

Começou a ficar doente em Janeiro, com febres contínuas e partiu sem se encontrar a causa dessas febres. Assim partiu para Deus, porque Ele, mais uma vez, pronunciou seu nome para  a VIDA EM PLENITUDE. O Senhor lhe disse hoje: ” Vem esposa de Cristo, recebe a coroa, que EU  te preparei desde toda a eternidade”.

Vai nossa Irmã! Entra na alegria do teu e Nosso Senhor!

Ajuda-nos na nossa caminhada para Ele, para que possamos ser fiéis e corajosas nas adversidades, alegres na Esperança que jorra da sua presença nas nossas vidas, perseverantes até ao fim, sem condições, sabendo que no fim da caminhada seremos examinadas no AMOR.

Sabemos que a partir de agora a tua presença na comunidade será mais plena e fecunda do que o foi na terra.

Apresenta a Jesus as preocupações das nossas comunidades, nesta peregrinação terrestre.

Pede a Bênção para toda a família que hoje chora esta separação temporal desde longe, embora louvem a Deus pelo exemplo da tua vida.

Com Jesus, a Santíssima Virgem e os Santos, prepara-nos o nosso lugar na Glória Trinitária, no coração de DEUS, para celebrarmos juntas, um dia, a festa do Amor Eterno.

Até já!
                                 TUAS IRMÃS SERVAS DE SANTA MARIA